Compostagem residencial

Diariamente no decorrer de nossas atividades, não damos conta, mas produzimos em média por pessoa 1 Kg de diversos resíduos, desses, cerca de 60 % ou 600 g são resíduos orgânicos como: cascas de frutas, restos de alimentos cozidos, carnes, etc.

Infelizmente, ainda a grande maioria dos municípios brasileiros não dá um destino adequado para seus resíduos orgânicos, sendo esses, em grande parte, depositados a céu aberto e acabam produzindo líquidos e gases que contaminam o solo, água, o ar e inclusive as pessoas. Além disso, esses ambientes que servem de deposito de resíduo orgânico tornam-se atrativos para insetos indesejados, ratos e outros, isso acarreta em mais problemas de saúde.

A questão da destinação dos resíduos sólidos é teoricamente é competência do poder público e das empresas privadas, no entanto a sociedade civil pode através de algumas atitudes vir a contribuir positivamente na resolução dessa questão.

Podemos fazer duas coisas nas nossas residências que irão contribuir positivamente para a questão aborda acima, a primeira delas é bastante simples: basta diminuirmos nosso desperdício de alimento, passando a cozinhar na medida certa e ainda utilizando cascas, talos de frutas e hortaliças na nossa alimentação, que por sinal são bastante ricas em vitaminas.

A outra atitude não é complexa, porém demanda um pouco de cuidado, trata-se da compostagem. Simplificadamente a compostagem consiste na transformação de compostos orgânicos instáveis em compostos orgânicos estáveis, ou simplesmente a transformação de restos de comida, hortaliças, cascas de frutas em adubo orgânico. O processo é simples e pode ser feito até em apartamentos.

A compostagem caseira diminui a geração de resíduos tóxicos em aterros, consequentemente evitam-se todos os problemas que esses resíduos geram nessas que são depositados e ainda, permite a produção de adubo sólido e líquido na sua própria casa. Para termos ideia, numa residência onde vivem 4 pessoas,  ao final de um mês teremos aproximadamente 72 Kg de resíduos orgânicos produzidos  e cerca de 860 Kg no final de uma ano, uma vez feita a compostagem desses resíduos, estamos tratando localmente os nossos resíduos, produzindo adubo e deixando de destinar a aterros ou lixões uma significativa quantidade desses materiais.

Para uma boa compostagem você vai precisar de:

  • recipiente para armazenar os resíduos (pode ser baldes, caixas ou diretamente no solo),
  • folhas secas ou pó de serra (serragem de madeira),
  • pá de jardim ou equipamento semelhante (para mexer o composto),
  • recipiente para armazenar o adubo líquido.

O que pode ser decomposto:

  • cascas de frutas,
  • alimentos cozidos (arroz, feijão, etc.),
  • borra de café,
  • papel guardanapo,
  • (evitar carne em grandes quantidades, pois elas podem atrair moscas e produzir mau cheiro),
  • resíduos da jardinagem (folhas, galhos, flores, etc.).

Como fazer:

  • misturar os resíduos orgânicos com as folhas secas ou a serragem, na proporção de duas partes para uma, respectivamente;
  • mexer o composto diariamente (oxigênio é fundamental para boa decomposição);
  • mantê-lo úmido (cuidado para não encharcá-lo).
  • acrescentar ao composto minhocas vermelhas (facilmente encontradas em locais que vendem isca para pescaria).
  • a decomposição leva aproximadamente 60 dias para ser finalizada,
  • no final do processo teremos um produto de cor escura, cheiro de terra molhada,  portanto pronto para ser utilizado no jardim, floreiras, horta, pé de árvores, etc.

Segue abaixo um vídeo retirado do ‘youtube”, em que jovens estudantes ensinam a construir uma composteira utilizando galões de 20l  de água, tal recipiente é interessante pois apresentam prazo de validade, uma vez vencidos podem ser empregados para nessa finalidade. Esse modelo composteira é bastante simples e pode ser utilizada em residências com quintal pequeno, e até mesmo em apartamentos. Para uma família de 5 pessoas, o ideal é duas a três composteiras desse modelo, no entanto isso pode variar de acordo com os hábitos da família.

Fiz essa composteira na minha casa e o resultado foi muito bom. Principalmente por ter o coletor do adubo líquido. O inconveniente é o seu volume reduzido, mas isso pode ser resolvido construindo mais uma ou duas composteiras, de acordo com a necessidade.

DSC01250

Composteira em funcionamento. Na parte superior verificamos o composto sólido e na inferior o adubo líquido.

É Fundamental colocar um pouco de folha seca ou serragem na mistura, logo após que por os resíduos orgânicos.

Logo após de acrescentar os resíduos orgânicos é fundamental colocar um pouco de folha seca ou serragem sobre o composto e revolver a massa, de modo a mantê-la sempre oxigenada.

Composto pronto para ser utilizado. O cheiro é semelhante ao de terra molhada.

Composto pronto para ser utilizado. O cheiro é semelhante ao de terra molhada.

Coletando o adubo líquido, praticamente inodoro.

Coletando o adubo líquido, praticamente inodoro.

O adubo líquido pode ser utilizado para adubar plantas em geral. Mistura duas partes de água para uma do adubo líquido.

O adubo líquido pode ser utilizado para adubar plantas em geral. Misturar duas partes de água para uma do adubo líquido.

Felipe Furtado Frigieri

Anúncios

Sobre Felipe Furtado Frigieri

Engenheiro florestal graduado pela ESALQ-USP. Interessado em discutir temas relacionados a arborização urbana, restauração florestal de ambientes degradados, horta urbana, reciclagem, criação de abelhas nativas, entre outros.
Esse post foi publicado em Agricultura urbana, Conhecimento, Quintais. Bookmark o link permanente.

10 respostas para Compostagem residencial

  1. eraldo monteiro de barros disse:

    Não esquecer de FILTRAR a mistura do adubo liquido com água (pano ou filtro de café servem) para NÃO ENTUPIR o pulverizador.
    Abs
    Eraldo

    Curtir

  2. Edwiges Malavazi Cavalini disse:

    Agradeço suas valiosas informações no:
    ”Plantando vida “: sobre abelhas jataí,compostagem residencial,etc. Foi de grande valia para mim.Serei fiel seguidora de seus sábios temas.

    Curtir

  3. Olá!!!

    Parabéns pela iniciativa.
    Tenho uma cozinha industrial de pequena escala, e produzimos cerca de 15 kg/dia de lixo para ser utilizado na compostagem. Tenho um modelo de baldes, baseado neste de caixas e também um sistema utilizando bombona de 240lts. Semana passada fiz a extração do chorume e tive uma surpresa. O cheiro não é muito agradável. É assim mesmo? Existe alguma forma do cheiro não ser tão forte. E quanto a coloração do chorume, como deve ser?

    Abraço!!!

    r.marinho.gomes@gmail.com

    Curtir

    • Olá Ricardo,
      parabéns a você também, pela iniciativa.
      O motivo do odor desagradável é por conta da decomposição anaeróbica (falta de oxigênio) que está ocorrendo no seu processo de compostagem. Normalmente isso se deve ao excesso de água, elevada densidade da massa e ou desequilíbrio na relação carbono/nitrogênio.
      Você está revirando 1 vez por semana no composto?
      Está acrescentando algum material rico em carbono na massa, como folhas seca ou maravalha?
      O chorume deve apresentar uma coloração escura (marrom/preto) e não apresenta odor desagradável.
      Um abraço e boa sorte!

      Curtir

  4. Eraldo Monteiro de Barros disse:

    Alo Amigos:
    Isto mesmo. Tanto a falta de umidade como o excesso (água demais) atrapalham o processo.
    A falta de oxigênio também atrapalha. O material não deve ser comprimido (deve ficar bastante “solto”) e deve também misturar capim; folhas; grama cortada e etc … para “enriquecer” o composto.
    Passando de uma bombona para outra o material fica remexido e oxigenado.
    Se a umidade ficar no ponto “Ótimo” é capaz de nem dar chorume.
    Que tal a cada 15 dias derramar a bombona e encher novamente passando o material de baixo para cima?
    Nesta ocasião colocar um pouco de capim ou folhas secas .entre uma camada e outra do material remexido.
    Depois que a “massa’ ficar mais ou menos uniforme pode passar para umas caixas tipo daquelas de acomodar peixe, e colocar minhocas. Dentro de uns 30 ou 40 dias as minhocas transformam tudo em humus.
    Se puder nesta ocasião colocar um pouco de estrume curtido ajuda muito.
    (boi; coelho; galinha. etc… Menos de cavalo que por ser monogástrico vai trazer sementes de ervas invasoras no estrume – daí não ser aconselhado.
    Quando Vc perceber que as minhocas já transformaram o material em húmus é hora de entrar em ação para separar húmus produzido e multiplicar o trabalho..
    Dai Vc peneira e usa o material para adubar as plantas e separa as minhocas que voltam ao trabalho em outras caixas. Quanto mais minhocas mais rápido vai ficando o processo.
    No humus que vai para os canteiros vão larvas e ovos povoando o solo.
    Em outra oportunidade vou postar fotos deste assunto.
    Abs
    Eraldo

    Curtir

  5. Querido irmão!! http://www.plantevida.com.br/ visite nosso site!! abaço

    Curtir

  6. jrmessi disse:

    Primário, mas primordial no seu objetivo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s